20/08/09

Toque de finados

O Dr. Mário Soares, na Visão desta semana, escreve um artigo com o título "Marx saiu do purgatório?" O texto possui a leveza inerente à estação em que estamos, leveza habitual no autor. A dada altura diz: "A crise de 2008-2009, em que nos encontramos, representou, contudo, o toque de finados do neoliberalismo e parece ter retirado do purgatório Karl Marx". Tirando o facto de Mário Soares se ter equivocado relativamente à saída de Marx do purgatório (não foi a crise financeira que o tirou de lá, foi o Vaticano que acabou com o purgatório e transferiu as almas que lá se encontravam para outros recantos do além), há uma coisa que me faz uma grande confusão. Como se pode afirmar que a actual crise representa o toque de finados do neoliberalismo? Como explicar a tão rápida resposta dos mercados à crise? Como explicar a forma organizada como os Estados vieram em socorro do modelo económico em desgraça? Aquilo que potencia o chamado neoliberalismo continua a vigorar, gostemos ou não. Os mercados nacionais continuarão abertos, a mão-de-obra oriental continuará a produzir o empobrecimento das classes médias europeias, o trabalho, físico ou intelectual, não deixará de ser considerado mercadoria, agora uma mercadoria à escala global. O capital financeiro não deixará de ter um papel preponderante na economia global. Esta crise assemelha-se mais a uma doença provocado por um vírus oportunista, mas debelável, do que a uma fase terminal do neoliberalismo. Pode ser que Marx, com a ajuda de Ratzinger, tenha sido transferido para o céu, para um dos andares térreos, claro, sempre é um materialista. Mas pensar que vamos amanhã ao funeral do neoliberalismo é uma ilusão inútil, que os portugueses perceberão imediatamente a seguir às próximas eleições, ganhe quem ganhar.

1 comentário:

chevry disse...

Concordo plenamente. Generaliza-se. Como se uma batalha constituísse toda a guerra. Como se por cause de uma crise tivéssemos todo o paradigma se tivesse alterado. E seria interessante saber que modelo seguir se assim fosse. O de Marx? E quer se goste quer não foi o neoliberalismo que permitiu que todo o mundo ocidental tivesse acesso a uma série de bens.