26/08/09

Alma Pátria - 37: Madalena Iglésias - Ele e Ela


Madalena Iglésias - Ele e Ela

Se me pedissem uma canção para representar o espírito do Festival RTP da canção, pelo menos daqueles anos que vão desde 1964 a 1974, eu não teria qualquer dúvida de escolher esta. Contrariamente a muitas canções que por lá passaram, tendo algumas ganho, esta não tem mensagem subliminar. É uma coisa inócua e era isso que tanto a RTP como a Eurovisão pretendiam. O conteúdo desejado era a ausência de conteúdo, uma coisa ritmada e bem disposta, de preferência que falasse de amor, mas nada de grandes tensões amorosas. A qualidade textual, e até musical, de muitas canções que apareceram no Festival é apenas a prova da inexistência de um lugar natural onde elas pudessem ter a sua vida. Ele e Ela é, de facto, o espírito da coisa.

2 comentários:

José Ricardo Costa disse...

Bolas! Até que fim! Andava há semanas à espera dest post. Finalmente, a canção das canções, o verdadeiro cântico dos cânticos da canção portuguesa, que fez de cada português um rei Salomão apaixonado. Também ainda não perdi a esperança de ver aqui o Sobe, Sobe Balão Sobe. Enfim, verdadeiras caricas musicais do imaginário português.

JR

JCM disse...

Lamento, meu caro, mas "Sobe, Sobe, Balão Sobe", apesar de se integrar perfeitamente na alma, quiçá, no espírito da pátria, não se enquadra no âmbito deste projecto, cujos objectivos, previamente definidos, excluem canções, mesmo desmesuradas como aquela que referes, que tivessem nascido após 25 de Abril de 1974. A minha pátria, para além da língua portuguesa, foi formada naqueles anos... Tens toda a razão, estamos perante canções que estão ao nível dos cromos da bola, que também coleccionei um dia.